sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

A importância da Educação Infantil para o desempenho na escola

Divulgação

A pré-escola é fundamental não apenas para o aprendizado, mas também para o comportamento das crianças
As crianças possuem comportamentos muito particulares que se refletem – e, por consequência, são facilmente percebidos – no modo como aprendem. Na primeira infância, os pequenos vão definindo traços de personalidade que carregarão durante toda a vida, mas necessitam de estímulos específicos para que desenvolvam com eficiência as linhas comportamentais e os aprendizados elementares nessa fase.
A fim de que as crianças assimilem novas ideias, é fundamental que elas estejam em ambientes adequados – ou seja: nesse período, fora do núcleo familiar, elas devem reagir a interações com outras crianças e com adultos que possuam bagagem pedagógica, pois é uma fase de bastante criação e significação; assim, a Educação Infantil é fundamental para que o conhecimento básico seja estimulado.
Caráter em formação
Frequentar a pré-escola e começá-la no tempo certo é uma forma de garantir que a criança se acostume e tenha interesse contínuo pelo aprendizado a ser absorvido durante a vida – e não apenas a acadêmica, pois além de dar o incentivo necessário, trabalha em todos os outros alicerces do caráter de cada um.
A educação infantil, nesse ponto, atende ao plano afetivo e cognitivo: com o apoio necessário, o grupo pedagógico ensina dois caminhos em paralelo, tanto como ensinar uma criança a ler, quanto como ensinar a compreender diferentes opiniões; são questões essenciais que devem, na primeira infância, caminhar juntas, para que o comportamento dos pequenos influencie (e seja influenciado) de maneira positiva na sociedade.
Trabalho em conjunto
Nos primeiros anos de vida, é importante que a relação família-escola seja fortalecida: a pré-escola ajuda nas questões sociais; e o núcleo familiar também colabora na educação, não apenas na atenção ao tempo certo de cada fase em relação aos anos escolares, mas também no estímulo direcionado e adequado à idade fora desse período. Para isso, existem itens específicos de princípios de matemática, alfabetização ou literatura infantil, que não apenas reforçam o aprendizado, mas também instigam a curiosidade e o interesse.
A educação infantil, portanto, é imprescindível no desempenho escolar das crianças, já que é nessa fase que são promovidos os incentivos ao conhecimento e à formação do caráter individual; as atividades durante o período também são dirigidas para despertar o maior interesse – a exemplos do clube do livro, hora da história e músicas educativas. É, então, parte da família acompanhar o desenvolvimento dos pequenos e continuar em casa o trabalho do grupo pedagógico, para que se tenham resultados efetivos. Fonte: http://leiturinha.com.br/ . EMT - Divulgação

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Com previsão de crescimento de 12% do mercado do brinquedo, ABRIN 2017 abre o calendário do setor


Reflexo do momento da indústria, que mantém crescimento há quase uma década, próxima edição da ABRIN tem confirmada participação de importantes empresas brasileiras e traz área dedicada especialmente às empresas de puericultura. A feira tem mais novidades, como a realização em março e a área para importadores.
Terceiro maior evento do mundo e grande responsável pelos negócios do setor de brinquedos na América do Sul, a ABRIN 2017 tem encontro marcado com o mercado de 21 a 24 de março no Expo Center Norte. No lançamento do evento, realizado em junho, 80% do espaço havia sido comercializado. Uma das novidades da edição de 2017 é que empresas exclusivamente importadoras de brinquedos poderão expor na feira, desde que estejam sediadas no Brasil há mais de três anos.
Outra novidade é a ampliação ao espaço dedicado à puericultura. Os fabricantes de produtos dedicados a bebês e primeiros anos de vida da criança, tais como mamadeiras, chupetas, pratos, mordedores (puericultura leve), e carrinhos de passeio, berços, assentos de segurança, cadeirões para alimentação (puericultura pesada) ficarão reunidos numa área especial com cerca de mil metros quadrados. O segmento fatura mais de R$ 1 bilhão por ano, segundo a ABRAPUR.
A ABRIN é responsável por movimentar 25% do faturamento anual da indústria nacional de brinquedos, que em 2016 deve fechar com R$ 5, 9 bilhões (preço fábrica). A feira habitualmente apresenta de 1.500 a 1.800 lançamentos que atendem à demanda de datas importantes para o setor de brinquedos, principalmente Dia das Crianças e Natal.
De acordo com o presidente da Abrinq, Synésio Batista da Costa, responsável pela realização da feira, a ABRIN passou de abril para março para atender demanda dos expositores, após a realização de pesquisa. “A ABRIN existe para responder rapidamente às necessidades da indústria do brinquedo”, enfatiza o presidente da entidade.
Levantamento da Abrinq mostra que desde 2007 a indústria persegue altas consecutivas, somando-se preço para loja da produção nacional mais importações: R$ 2.234 bilhões, R$ 2.510 (2008), R$ 2.710 (2009), R$ 3.117 (2010), R$ 3.460 (2011), R$ 3.875 (2012), R$ 4.456 (2013), R$ 5.160 (2014) e R$ 5.934 bilhões, projeção para este ano.
SERVIÇO:
ABRIN 2017 – 34ª FEIRA BRASILEIRA DE BRINQUEDOS
Data: 21 a 24 de março
Horário: 10h às 20h (dia 24, das 10h às 18h)
Local: Expo Center Norte
Promoção/Patrocínio: Abrinq – Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos
Organização/Negócios: Francal Feiras
Informações pelo telefone: (11) 2226-3100 Site: www.abrin.com.br
Facebook: FeiraAbrin Twitter: @feiraabrin Google +: Feira Abrin
Fonte: Primeira Página | Assessoria de Comunicação e Eventos – Luiz Carlos Franco – (11) 5908-8210. Visto no site: http://www.epgrupo.com.br/.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Nickelodeon e Sincrocine anunciam animação “Tainá, a protetora da floresta”


Nova série é adaptação de trilogia de sucesso dos cinemas que tem como cenário a Floresta Amazônica

O canal Nickelodeon e a Sincrocine Produções, dos produtores Pedro Rovai e Virginia Limberger, anunciam parceria para início da coprodução da série ‘Tainá, A Protetora da Floresta’. Com investimentos oriundos do BNDES (Procult) e do Artigo 39 da Ancine, a animação é uma adaptação da trilogia de sucesso dos cinemas brasileiros que tem como protagonista a indiazinha Tainá que, junto de seus amigos, protege a FlorestaAmazônica, sua fauna e flora.
A nova coprodução traz o conteúdo dos filmes, destinado a toda família, adaptado ao universo das crianças de 3 a 6 anos. A trilogia conquistou 23 prêmios nacionais e internacionais e está sendo exibindo nas TVs de mais de 40 países.
“É uma preocupação constante da Nick incluir programas em sua grade que levem mensagens positivas para a audiência, em um formato que faça parte do universo das crianças”, comenta Jimmy Leroy, Vice-Presidente de Criação da Nickelodeon LATAM e Brasil. “Ter este conteúdo desenvolvido localmente, celebrando nosso país e sua imensa diversidade, nos deixa ainda mais satisfeitos com esta parceria”, completa.
“Através da parceria com a Nick, a carismática indiazinha Tainá irá levar o colorido da Amazônia e a mensagem que já está na trilogia para as crianças brasileiras e de todo o mundo, para que elas conheçam, admirem e valorizem a Natureza e nossas riquezas”, complementa Pedro Rovai, Produtor Geral da série.
A primeira temporada, com estreia prevista para o segundo semestre de 2017, terá 26 episódios, com 11 minutos cada.
Ficha técnica
Produção: Pedro Rovai e Virginia Limberger/ Sincrocine Produções
Direção: Carlos Luzzi
Estúdio: Hype CG
Diretor de Arte: Tom Bernardes
Concepts da Amazônia: Marcelo Virches
Roteiro: Rafael Campos Rocha e Gabriela Rovai
Supervisor de Roteiro: Frederico Pinto
A Nickelodeon é uma das marcas multimídia de entretenimento para crianças e família mais reconhecidas e amplamente distribuída em todo o mundo. Ao longo dos anos, construiu um negócio diversificado e global, colocando sempre as crianças em primeiro lugar. O portfólio da empresa inclui uma programação com propriedades de enorme sucesso (as animações ‘Bob Esponja’, ‘As Tartarugas Ninja’, ‘Patrulha Canina’ e ‘Dora, A Aventureira’, além de séries live action como ‘Eu Sou Franky’, ‘Game Shakers’ e ‘O Outro Reino’ ) e os maiores eventos mundiais da pay-tv infantil, Kids’ Choice Awards e Meus Prêmios Nick, no Brasil. A Nickelodeon está também presente em diversas plataformas digitais – Facebook, Instagram, Twitter e Snapchat – e parte de sua programação está disponível no app Nick Play. Fora da TV, a marca mantém a campanha ‘Together For Good’, em parceria com a Unicef, que incentiva, celebra e reconhece crianças que fazem a diferença na comunidade em que vivem, em todo o mundo.
A Viacom International Media Networks (VIMN) Américas é proprietária e opera um portfólio de diversas marcas de entretenimento que inclui MTV, Nickelodeon, Nick Jr., Comedy Central, Paramount Channel, VH1, e seus respectivos canais em HD na América Latina (incluindo o Brasil). O portfólio da companhia inclui ainda a marca Tr3s, nos Estados Unidos, voltada a uma ampla audiência de norte-americanos hispânicos e os acordos de programação da VIMN no Canadá com a Corus Entertainment para Nickelodeon e Bell Media para MTV e Comedy Central. A VIMN também alcança um crescente número de consumidores conectados digitalmente por meio de seus múltiplos websites e sua vasta oferta de aplicativos móveis que incluem MTV Play, Comedy Central Play e Nick Play. Além disso, oferece produtos de conteúdo móvel diretamente ao consumidor como Noggin para crianças em idade pré-escolar e BET Play aos fãs da cultura afro-americana. Para mais informações sobre nossas marcas e negócios, nos siga no Twitter (@VIMNPrensa), canal em que divulgamos as últimas notícias, imagens e vídeos.
A Sincrocine Produções Cinematográficas é uma produtora independente com grande valor cultural para o Brasil. Em atividade ininterrupta há 40 anos, é dirigida pelo cineasta Pedro Rovai e pela produtora Virginia Limberger e possui mais de 20 longas no currículo, além de peças de teatro, curtas e documentários.
Entre os lançamentos recentes da Sincrocine para os cinemas estão a trilogia infantil “Tainá”, que recebeu 23 prêmios internacionais, e a franquia “Qualquer Gato Vira-Lata” (2011 e 2015), que levou mais de 2 milhões de pessoas aos cinemas. Tainá – a protetora da Floresta marca a estréia da Sincrocine como produtora de séries para TV.
Fontes: Viacom Brasil – Natasha Novak e Felipe M. Reis.
Fundamento Marketing para Viacom Brasil – Luís Siciliano e Ana Amaral.

domingo, 20 de novembro de 2016

ESTÚDIO EMT - 25 ANOS VIVENDO E CRIANDO PARA O MUNDO INFANTIL


Neste mês de Dezembro, o EMT – Estúdio Moacir Torres, está completando 25 anos de existência.
Nesses anos, foram produzidos milhares de revistas, livros Infantis e E-books de títulos diferentes, sempre direcionados para o público infantil.
O estúdio formou várias parcerias com pequenas e grandes editoras e outras empresas ligadas a esse segmento.
Algumas de nossas revistas ultrapassaram os dez anos de circulação em todo o território nacional, e também já produziu revistas para Portugal e Espanha.
O estúdio sempre se preocupou com a qualidade do produto criado e produzido.
Essa sempre foi e sempre será a nossa filosofia de trabalho.
Continuaremos trabalhando para levar até os nossos leitores um produto que divirta, mas que também o ajude em seu crescimento moral e intelectual.
Deus nos deu de presente nesses vinte e cinco anos, e certamente continuará nos dando bons clientes, parceiros e amigos.
Que nos próximos anos, novos parceiros venham se juntar a nós, para que possamos continuar levando muita alegria e divertimento para os nossos leitores.

sábado, 19 de novembro de 2016

Cartunista Moacir Torres lança Revista em Quadrinhos da Turma do Gabi em Inglês.


Isso mesmo, o cartunista Moacir Torres acaba de lançar pela Emt/Kindle, o e-book “Gabi and his Friends 01: Comic” em inglês.

A publicação trás algumas HQs que já foram publicadas em português em revistas que estão na Amazon, e agora foram traduzidas para o idioma Inglês que também está à venda no site.

Os leitores de outros países poderão conhecer a “Turma do Gabi”, muito difundida e publicada há décadas no Brasil.

Para conhecer e adquirir a revista basta acessar este Link: https://www.amazon.com.br/dp/B01MEE796P.

O e-book está à venda por USD 3,50 (R$ 11,20 em reais).

Serviço:
Revista em Quadrinhos: Gabi and his Friends 01
Autor: Moacir Torres
Editora: Emt/Kindle

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Lançamento - Livro Ilustrado da Turma do Gabi em Inglês – Emt/Kindle - Amazon.


Já está na Amazon o Livro digital Ilustrado da Turma do Gabi na versão Inglês, que já conquistou o Brasil e vem conquistando outros países.
O Livro contém 36 ilustrações super coloridas da Turma do Gabi e sem legendas para a visualização desde bebês até adultos.
Pois as imagens são repletas de fantasias, e temas bem atuais com os personagens que durante décadas fizeram e continuam fazendo sucesso entre a garotada.
Link do Livro:
Serviço:
Kid Illustration – Gabi and His Friends
(Gabi e seus Amigos)
Autor: Moacir Torres

Editora Emt/Kindle

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Estúdio EMT lança e-book “Desenhando a Turma do Gabi 03”



Já está à venda no site da Amazon, o e-book “Desenhando a Turma do Gabi #03” da Editora EMT/Kindle.

A publicação alcança o público de todas as idades, pois o cartunista e escritor Moacir Torres ensina a desenhar dezenas de personagens da Turma do Gabi com traços simples.

Para adquirir o novo livro de atividades, basta acessar:   https://www.amazon.com.br/dp/B01N3TKUCB

SERVIÇO
E-book: Desenhando a Turma do Gabi 03
Autor: Moacir Torres
Editora: Emt/Kindle

domingo, 30 de outubro de 2016

Disgrafia: letra feia pode ser sinal de mais problemas - NeuroSaber

Divulgação

Uma criança que tem letra feia e que já foi treinada por muito tempo a superar esta dificuldade sem grande sucesso ou que permanece com os mesmos garranchos e erros ortográficos pode não somente apresentar problemas motores ou espaciais de escrita, mas também outras condições que costumam se associar a isto. Nestes casos, é salutar investigar outras possibilidades que podem, neurologicamente e funcionalmente, influenciar negativamente no desenvolvimento e performance de escrita.
Para o ato de escrever, é necessário desenvolver requisitos funcionais e habilidades que permitam direcionar toda a percepção e energia para dar ritmo, persistência e controle inibitório às mãos para que esta redija adequadamente. Para isto, é importante a atenção seletiva e sustentada, a integridade da linguagem fonoarticulatória, lexical e semântico-pragmática, boa memorização operacional, coordenação visuo-motora preservada e capacidade de decodificação fonêmico-grafêmica. Tudo isto deve estar sendo operacionalizado e organizado por um bom funcionamento do sistema executivo e “regado a pitadas” de motivação e prazer. Fácil? Não! Complexo e repleto de detalhes? Sim, mas bem mais palatável e melhor administrado quando passamos a conhecer os mecanismos neurológicos e neuropsicológicos existentes na base do processamento da escrita.
Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário
A avaliação sistemática e interdisciplinar dos problemas de escrita é um dos passos mais importantes para se entender os reais motivos da persistência desta disfunção. Pode ser falta de estímulo ou de treino? Pode ser por utilização de método didático inadequado? Sim e sim. Mas é possível que esta criança tenha problemas de coordenação visuo-motora, a qual impede que a mesma venha a representar a escrita da mesma forma que percebe e vê as palavras num descompasso que resultará em garranchos, sobreposições de letras e alteração da escrita linear que respeite linhas ou limites.
Pode ser que ela tenha um Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) a qual, mesmo sem Hiperatividade, pode levar a problemas de atenção e falta de persistência motora, resultando em escrita com pouca atenção aos detalhes, perda de letras, “encavalamento” de palavras, disortografia, frases incompletas, alterações na disposição espacial das palavras, texto com pouco sentido além de cansaço e dor durante o ato de escrever. Se tiver uma hiperatividade associada, tais problemas ficam ainda mais evidentes e intensos. Crianças com TEA-Autismo, não persistem até o fim e costumam ter problemas sérios ao pegar no lápis com efeitos significativos na coordenação motora para escrever, pois ora não possuem boa propriocepção na “pega”, ora não conseguem coordenar a sequência da escrita.
dislexia e os Transtornos Específicos de Linguagem (TEL) podem, com muita frequência, levar a problemas de escrita por refletir suas disfunções também no ato escrito. Os problema motores, de linguagem e de memória sequencial criam grandes obstáculos na persistência da atividade de escrever sem contar as trocas fonéticas e grafêmicas constantes. No tocante aos Transtornos do Desenvolvimento da Coordenação (TDC), as dificuldades de coordenação motora podem levar a caligrafia ainda pior com efeitos na organização, no esboço, no traçado e na postura adequada para a escrita.
Nem é preciso dizer, portanto, que estas condições abalam a motivação e geram grande desprazer para escrever reduzindo, aos poucos, toda a disposição da criança para este tipo de atividade. O professor, contudo, deve estar atento para estas situações encaminhando-a para uma avaliação e recuperando sua autoestima com atividades secundárias ou facilitando os registros por meio de outros caminhos. Fonte: http://neurosaber.com.br/.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Editora EMT relança 1ª edição do Herói Ecológico Papo Amarelo


Como a publicação fez muito sucesso e se esgotou rapidamente, a Editora EMT resolveu fazer uma nova tiragem.

Agora, com uma capa criada por Daniel HDR e HQs de Marcos Gratão, a edição promete ainda mais procura.

O personagem Papo Amarelo foi criado no ano de 1990, pelo cartunista e escritor Moacir Torres (autor da Turma do Gabi), com uma proposta genuinamente brasileira.

Fugindo dos padrões dos heróis estrangeiros e com uma linguagem e temas relacionados com o meio ambiente do nosso País, a série conquistou os leitores de HQs.
 “Eles viram nessa nova proposta, algo autêntico e não uma cópia dos heróis já existentes“, comenta Moacir Torres.

A versão foi lançada em e-book e pode ser adquirida no Site Amazon: www.amazon.com.br/dp/B01M286T2P.  

SERVIÇO:
Papo Amarelo 01 – Revista em Quadrinhos
20 Páginas em PB e Capa Colorida
Editora EMT
Vendas: (19) 98157-3786 ou pelo e-mail: estudioemt@gmail.com

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Pais Bem-Sucedidos Formam Filhos Bem-Sucedidos? - Revista Dávila

Divulgação

Exigir A Escolha Da Mesma Profissão Nem Sempre É Garantia De Sucesso; Algumas Atitudes Ajudam A Incentivar O Melhor Dos Filhos Desde Cedo

Antes mesmo do nascimento dos filhos, muitos pais já sonham com a carreira que os pequenos vão seguir no futuro e fazem planos para que eles tenham sucesso na vida profissional. No momento em que é chegada a hora de fazer essa escolha, muito acabam impondo que os herdeiros sigam seus passos. No caso daqueles que são bem-sucedidos em determinada profissão, a pressão sobre os jovens aumenta. Mas pais bem-sucedidos nem sempre resultam em filhos com o mesmo êxito.
“Em primeiro lugar, é preciso ter em mente o que é sucesso. Muitas vezes, ele não está relacionado à fama, dinheiro ou poder, e sim à satisfação pessoal ou entusiasmo em realizar as tarefas e desafios do dia-a-dia”, destaca Scher Soares, especialista em Comportamento e Desenvolvimento Humano. Segundo ele, de fato, os pais são grandes influenciadores na formação profissional de seus filhos, mas, muitas vezes, o desejo não é o mesmo, ou eles não têm as aptidões necessárias para executar aquela profissão. “Por isso, eles terão que se esforçar mais para alcançar o mesmo ou um resultado parecido, que nem sempre vai trazer contentamento”, explica.
Dois fatores podem influenciar na decisão pela mesma careira: identificação e estabilidade. É como se optar pelo mesmo emprego garantisse mais segurança e abrisse espaço no mercado de trabalho. “Por um lado, essa escolha pode encurtar caminhos, mas se o filho não tem vocação para seguir essa carreira, ele não terá o mesmo triunfo e, ainda, pode se frustrar, gerando estresse e angústia ou, ainda, perder o prazer na atividade”, afirma. Ele garante que o mais importante é apoiar a decisão, mesmo que ela seja contra a opinião familiar.
Realizar a vontade dos familiares não implica, necessariamente, seguir exatamente a mesma trilha e passos dados por eles. Uma mesma profissão permite diversos caminhos e especialidades, e o importante é identificar aquela que traz mais afinidade. De acordo com Scher, o principal objetivo deve ser formar adultos independentes e garantir oportunidades para que eles sigam o caminho que os façam mais felizes. Ainda que não exista fórmula mágica, o especialista cita cinco atitudes que, se tomadas desde a infância, auxiliam no desenvolvimento em qualquer profissão.
Cinco atitudes para incentivar o melhor do seu filho:
  1. Desenvolver os pontos fortes e ajudar a reconhecer e melhorar os pontos fracos;
  2. Não fazer as tarefas por eles;
  3. Planejar o futuro juntos;
  4. Acompanhar o progresso e valorizar os esforços;
  5. Estimular a integração e relacionamento. Fonte: http://www.revistadavila.com.br/.      

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

No Dia das Crianças presenteie seu filho com livros! Turma do Gabi


Coleção "Turma do Gabi - Ler e Colorir.
Quatro livros por R$ 25,00.

Enviamos para todo o Brasil.

Informações (19) 98157-3786 ou
contato@estudioemt.com

domingo, 9 de outubro de 2016

Leve a Exposição 40 anos da Turma do Gabi para seu evento


Leve a Exposição 40 Anos da Turma do Gabi para eventos em qualquer parte do Brasil.

Escolas, Prefeituras, Shoppings, Feiras, Gibitecas, Festas, Bibliotecas, Galerias,
Empresas, Livrarias e Eventos em geral.

Para maiores informações: (19) 98157-3786 ou pelo

Email: estudioemt@gmail.com

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Exposição do 9º Concurso Cultural da Turma do Gabi – Desenho abre dia 3 de Outubro


 
Foto: EMT

De 03 a 30 de outubro acontece a exposição dos trabalhos Selecionados e Premiados do 9º Concurso Cultural da Turma do Gabi – Desenho.

Nesta edição o concurso teve como tema “Olimpíadas” e recebeu 230 desenhos de crianças de 9 a 14 anos de vários estados brasileiros como: São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais, Bahia, Alagoas, Pernambuco, Rio de janeiro, Amazonas e Rio Grande do Sul.

A comissão organizadora selecionou 112 desenhos que estarão expostos no Centro de Convenções Aydil Bonachella.

Premiados: 1º - Lucas Henrique Antunes Pires – 10 anos – Indaiatuba, 2º Mariah Oliveira Costa – 12 anos – Indaiatuba, 3º Carolline Cellie da Costa Almeida – 13 anos – B. Horizonte – MG.

Menções honrosas: Maria Eduarda Ap. Santos – 09 anos – Cotia – SP, Kailany Alves da Silva – 12 anos – S. A. da Patrulha, RS e Nicole Pasqualini – Indaiatuba – SP.

O evento é organizado pelo Estúdio EMT e conta com o Apoio da Secretaria de Cultura de Indaiatuba e Colégio Episteme.

SERVIÇO:
Exposição do 9º Concurso Cultural da Turma do Gabi
De 03 a 30 de Outubro
Local: Centro de Convenções Aydil Bonachella – Indaiatuba – SP.
(Rua das Primaveras, 210 – Jardim Pompéia)
Informações: (19) 98157-3786 (Emt)

domingo, 18 de setembro de 2016

Escolhidos os vencedores do 9º Concurso Cultural da Turma do Gabi - Desenho

Wilma Schroeder, Airton Sobreira e Moacir Torres

No último dia 17, a comissão de seleção e premiação do 9º Concurso Cultural da Turma do Gabi – Desenho, formada por Airton Sobreira (Artista Plástico e Escritor), Wilma Schroeder Peres (Artista Plástica) e Moacir Torres, se reuniram no Centro de Convenções Aydil Bonachella em Indaiatuba para escolherem entre os trabalhos selecionados para a exposição, os três vencedores e três Menções Honrosas que receberão os prêmios.

Foram 230 desenhos inscritos, desse total a comissão organizadora escolheu 112 para a Exposição.

Dos trabalhos que comporão a Exposição, 88 são de Indaiatuba e 24 são de outros estados.

O evento é realizado pelo Estúdio EMT e conta com o apoio da Secretaria de Cultura de Indaiatuba e Colégio Episteme.  

 O resultado será divulgado dia 3 de Outubro no site: www.turmadogabi.com.br.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

História do Pequeno Gabi é o novo livro infantil do Estúdio EMT.


Já está à venda no site da Amazon e no EMT, o Livro impresso e e-book “História do pequeno Gabi”.

Neste livro o escritor e cartunista Moacir Torres, conta a dramática história do pequeno Gabi, que após ser abandonado por sua mãe biológica, é encontrado pela família Seixas, adotado e criado com muito amor e carinho.

O livro impresso pode ser pedido através do e-mail: estudioemt@gmail.com ou (19) 98157-3786.

Para adquirir o e-book no Amazon, basta acessarem: https://www.amazon.com.br/dp/B01LQQT0T8

SERVIÇO:
Livro: História do Pequeno Gabi
Autor: Moacir Torres
Editora EMT
Site: www.turmadogabi.com.br

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Exposição "40 anos da Turma do Gabi" - Biblioteca Pública Municipal “Professor Ernesto Manoel Zink - Campinas - SP.

Foto: Suze Elias
Estará aberta ao público a partir desta terça (6) a Exposição dos 40 anos de criação da Turma do Gabi do Cartunista e Escritor Moacir Torres.
Serviço: “Exposição 40 anos da Turma do Gabi”

Local: Biblioteca Pública Municipal “Professor Ernesto Manoel Zink”
Av. Benjamin Constant, 1633 Centro Campinas
Tel.: 019 2116 0423

Visitação: De 6 a 30 de setembro de 2016, de 2.a à 6.a feira, das 9 às 17 horas - Entrada franca.


TURMA DO GABI – 40 ANOS DE CRIAÇÃO – MOACIR TORRES
No ano de 2015 fez 40 anos que o cartunista e escritor Moacir Torres começou a criar os primeiros personagens da Turma do Gabi, e que hoje somam mais de trinta integrantes.A Turma do Gabi alegrou e continua divertindo milhares de crianças brasileiras com suas aventuras recheadas de humor, fantasia e mensagens educativas.
São 40 anos circulando em TVs, Suplementos Infantis, Revistas em Quadrinhos, Animações (YouTube), Livros, E-books, Produtos,Internet e em muitas outras mídias.
Para comemorar essa data tão importante, o EMT - Estúdio Moacir Torres estará realizando uma exposição em homenagem aos “40 anos” com dezenas de painéis com capas de revistas e Suplementos Infantis contando a história da turminha.
Estarão fazendo parte da exposição comemorativa dezenas de desenhos, feitos pelos seguintes desenhistas brasileiros e estrangeiros: 
Luke Ross (Marvel-SP), Mário Cau (Campinas), Marcos Gratão (Araçatuba), Nestablo Ramos (DF), Laudo Ferreira (SP), Xavier (Avaré), Jorge Araújo (Rio Bonito – RJ), Marcelo Marão (RJ), Júlio Magá (SP), Márcio Meyer (Sta. Cruz do Sul – RS), Paulo José (SP), Bira Dama (Campinas), Gustavo Machado (Londrina – PR), Manoel Dantas (Aracaju-SE), Verde (SP), Spacca (SP), Paulo Borges (Jundiaí – SP) Tenório (Indaiatuba-SP), Pat Menghi (Argentina), Jal (SP), Mário Mastrotti (Sto. André), Aluir Amâncio (SP) e muitos outros.
Essa mesma exposição será itinerante e acontecerádurante o ano todo em cidades da Região de Campinas e São Paulo (SP).
HISTÓRIA: Em 1975 o cartunista Moacir Torres teve um sonho com esses personagens, e na manhã seguinte começou a rabiscar os primeiros deles, que mais tarde formariam a Turma do Gabi. Os principais integrantes dessa turminha do bem são formados por: Gabi, Geninha, Bacana, Vira Lata Fred, Palhaço Piruquinha, Lorenço e o Gato Malucats. 

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Exposição do 9º Concurso Cultural da Turma do Gabi - Desenho contará com trabalhos de vários estados brasileiros.



A exposição do 9º Concurso Cultural da Turma do Gabi terá centenas de desenhos expostos de 03 a 30 de Outubro no Centro de Convenções Aydil Bonachella (Rua das Primaveras, 210, 210 – Jardim Pompéia – Indaiatuba - SP).

A edição deste ano recebeu centenas de desenhos com o tema “Olimpíadas” de crianças e jovens com idades entre 9 e 14 anos, dos seguintes estados: São Paulo, Santa Catarina, Minas Gerais, Bahia, Alagoas, Pernambuco, Rio de janeiro, Amazonas e Rio Grande do Sul.

Neste mês, a comissão de seleção e premiação do 9º Concurso Cultural da Turma do Gabi – Desenho se reúne para escolher entre os trabalhos recebidos os que serão expostos em Outubro, no Centro de Convenções Aydil Bonachella.

Os trabalhos premiados também serão definidos, mas só serão anunciados em outubro, durante solenidade com data a ser divulgada.

Os três ganhadores receberão um Tablet cada, as três menções indicadas pelo júri serão contempladas com um Kit de revistas e livros da Turma do Gabi.

O júri de seleção final e premiação são formados por Wilma Schroeder (Artista Plástica), Airton Parra Sobreira (Artista plástico e Escritor) e Moacir Torres (Cartunista e Escritor).

O evento é realizado pelo Estúdio Moacir Torres (EMT) com apoio do Colégio Episteme e da Secretaria de Cultura.

A relação dos participantes da exposição bem como os nomes dos premiados estará no site: www.turmadogabi.com.br a partir do dia 03 de Outubro.

Maiores informações: (19) 98157-3786
E-mail: contato@estudioemt.com

Educação: Quem disse que isso era tarefa da escola? - Luciana Mendina - Blog Leiturinha


Coluninha | Por Luciana Mendina.

Quando li o livro Limites sem trauma, da Tânia Zagury, em 2001, não imaginava que ele se manteria atualíssimo quinze anos depois. Não é à toa que o livro está em sua 92ª edição, um feito para um país no qual a leitura não é valorizada. Na época, eu tinha dois filhos bebês: Maria Júlia com 2 anos e Bernardo com um ano, e me preocupava muito com a educação que daria para eles. Já percebia, na época, que a maioria dos pais era muito condescendente na hora de aplicar um castigo para o filho ou até mesmo de dar limites básicos, como dizer “não” para comportamentos inadequados. Eu não queria agir da mesma forma, eu queria ser uma mãe presente, carinhosa, mas que impusesse limites aos meus filhos sem traumatizá-los. Olivro, então, foi uma resposta para minhas aflições. Vi que estava no caminho certo.
Infelizmente, nesses últimos quinze anos, em vez dessa questão melhorar, como eu acreditava que ocorreria, só tem piorado cada vez mais. Eu me deparo, no dia a dia, com cenas inacreditáveis de pais que, além de não educarem seus filhos, não permitem que outros o façam, principalmente os professores. Nunca os professores foram tão desvalorizados e maltratados como agora. Pelos pais e, consequentemente, pelas crianças. Para um eleitorado que reclama constantemente dos baixos investimentos em “educação” no país, esse fato é extremamente contraditório.
Até porque educação começa em casa. Não é privilégio de colégios. Muito pelo contrário. Normalmente, os filhos reproduzem nas salas de aula o que vivenciam em seus lares, seja em termos de conhecimento, seja em termos de comportamento. Pais violentos criam filhos violentos, pais sem educação criam filhos mal-educados e por aí vai. Os pais são, desde o nascimento, um espelho para seus filhos e têm um papel decisivo na formação de seu caráter. Então, a que podemos atribuir esse “medo” de impor limites dos pais hoje em dia?
Admito que vim de uma família bem rígida. Meus pais eram gaúchos e definiam regras para nós, suas filhas. Tínhamos horário para dormir – às 20 horas até os dez anos – horário para fazer os deveres de casa, para tomar banho, para brincar com os amigos, para ver televisão. Não assistíamos nenhuma novela depois das 20 horas, não havia exceção. Também não ficávamos assistindo TV a qualquer hora do dia. Ao acordarmos, tínhamos de arrumar nossas camas e todas as refeições eram feitas à mesa, com ou sem nossos pais (meu pai era piloto e precisava se ausentar alguns dias e minha mãe faleceu quando eu tinha 14 anos e minhas irmãs, 11 e 7 anos, respectivamente).
Essa rotina, longe de nos traumatizar, tornou-nos adultas responsáveis, disciplinadas e resistentes às frustrações. Entendemos que, às vezes, não conseguimos o que desejamos e que isso não é o fim do mundo. Também é essencial para que saibamos respeitar hierarquias, autoridades e a enxergar o outro com mais respeito e consideração.
Na rua não tínhamos permissão para pedir nada nas lojas em que entrávamos. Minha mãe avisava, antes de sair de casa, que se pedíssemos alguma coisa não sairíamos mais com ela, além, é claro, de não ganharmos o presente. Fazer birra, então, era impensável. Sabíamos que seríamos castigadas quando chegássemos em casa e nem tentávamos enfrentá-la. Cumprimentávamos as pessoas ao chegar em qualquer recinto. Escutei mais de uma vez de meus pais: vocês não precisam gostar das pessoas, mas precisam ser educadas e cumprimentá-las.
Nossos professores eram admirados e respeitados. Jamais os xingamos ou levantamos a voz para eles, muito menos os agredimos fisicamente. Se eles nos chamavam a atenção, minha mãe sabia que era para nosso bem, que o objetivo era nos tornar cidadãos conscientes e de bem. Com certeza, se fôssemos advertidas, nossos pais ficariam do lado dos professores e não tirariam a autoridade deles questionando suas atitudes. Bem diferente da realidade a que assistimos nos noticiários em todo o país. Até de estresse pós-traumático alguns professores têm sido vítimas por serem constantemente humilhados e agredidos.
Há menos de dois meses, em uma viagem de São Paulo para Brasília, onde moro com meus filhos, tive de suportar, calada, um menino de cerca de dois anos gritar por quase duas horas, com pequenos intervalos, enquanto seus pais assistiam, passivos, a esse comportamento. Não consegui descansar ou dormir durante o vôo, o que costumo fazer, graças a esses gritos (estridentes) constantes.
É claro que muitos dos passageiros ficaram incomodados com essa gritaria toda. É claro que os comissários gostariam de ter chamado a atenção desses pais, ainda mais porque essa atitude do menino estava incomodando outros passageiros. Mas ninguém fez nada, afinal de contas, além de os pais não educarem seus filhos, eles se revoltam se alguém tenta fazê-lo. Acreditam que a responsabilidade é única e exclusiva deles.
Mas se é assim, por que eles não educam seus filhos? Por que somos obrigados a aturar crianças mal-criadas e fingir que nada está acontecendo? Será que esses pais não percebem o mal que estão fazendo a seus filhos, a mensagem que estão passando para eles, de que eles podem fazer o que bem entenderem no lugar que bem entenderem e a hora que bem entenderem? Onde está o respeito ao próximo?
Não são esses meninos que mais tarde se tornarão monstros e queimarão índios em praça pública ou praticarão furtos e outros crimes, lesando nossa sociedade? Se eles aprenderem que não há limites para o seu querer, que eles podem tudo, que não precisam lidar com “nãos” em suas vidas, que tipo de pessoas eles se tornarão? Apesar de o assunto não ser divulgado, os índices de suicídio na juventude cresceram assustadoramente nos últimos anos. A depressão também aumentou e os índices de violência infanto-juvenil disparou.
Realmente não entendo esses pais que, em nome de uma pseudo-liberdade dos filhos, desperdiçam oportunidades de orientá-los e de mostrar a eles que existem regras de convivência e que nem tudo que queremos fazer nos é permitido. Mesmo estando presentes fisicamente, estes pais estão ausentes das vidas dos filhos, muitas vezes ocupados no Whatsapp e no Facebook, outras vezes mergulhados no trabalho e em outros afazeres.
Em contrapartida, as crianças se isolam também nessas tecnologias e nos games, acostumadas a ficarem em segundo plano no campo afetivo e serem atendidos em termos materiais, o que gera uma contradição: crianças carentes afetivamente e mimadas materialmente. Ganham tudo o que pedem, mas não ganham a atenção, o carinho e o diálogo de que tanto necessitam. Espero que um dia esses pais caiam em si e percebam que o que pode traumatizar uma criança é justamente viver sem limites, e torço muito para que isso aconteça o quanto antes!

Luciana Mendina é jornalista e autora do livro “O autismo tem cura?”, publicado pela Editora Langage. Fonte: BlogLeiturinha. EMT - Divulgação

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Campanha genial fala sobre abuso infantil com as crianças - Leiturinha

Por Gabriella Reis | Leiturinha.

Perda, separação, morte, sexualidade, preconceito. A lista de coisas extremamente complexas e delicadas de se explicar aos pequenos está aí. Batendo à porta e pedindo um pouquinho da atenção da família… Não é tão difícil quanto parece. Quando o assunto então é abuso infantil,  entra em jogo a confiança. E neste momento, mais do que nunca, os pequenos precisam saber em quem confiar e como identificar comportamentos que não são para o seu bem.

Assuntos sérios são coisas de criança sim! Você precisa de tato para abordá-los, mas eles são fundamentais. É indispensável que, ainda em formação, a criança possa refletir e compreender coisas que dizem respeito à sua segurança. Ser clarotransparente e saber usar a linguagem dos pequenos não parece tarefa fácil, mas é lindamente possível. A prova disto é um vídeo fantástico da NSPCC (National Society for the Prevention of Cruelty to Children) em sua campanha que tem como mote o combate ao abuso sexual infantil.

A organização que atua no Reino Unido e Ilhas do Canal disponibilizou o vídeo que você confere a seguir. Da maneira mais descontraída e com um dingle de colar na cabeça e deixar a gente cantarolando o dia todo, dinossauros animados – chamados no vídeo de ‘pantosaurus’ – dançam a canção que alerta os pequenos para “não abaixarem suas calças para estranhos” de uma maneira incrivelmente leve, alegre e clara.

Quando você for tratar do assunto com seu pequeno, talvez um vídeo como este possa ajudar. Você também tem como sua forte aliada a literatura nestes momentos. Encontre a melhor forma de conversar com os pequenos ou, se preferir, todas elas! Só não vale deixar o assunto de lado.

Informações de Exame e NSPCC. Fonte: BlogLeiturinha. EMT – Divulgação


 Veja o vídeo clicando AQUI

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

O Papel do Pai - Por Rosângela Silva - Revista Dávila

Divulgação

A família tradicional cujo papel do pai era prover, proteger, sustentar, punir e dar segurança, da mãe educar e ensinar e o dos filhos  aprender e incorporar as regras ensinadas há muito vem se modificando.
Boa parte das crianças e jovens hoje vive com apenas um dos pais, na maioria das vezes só com a mãe.
Na nova concepção familiar, todos têm que se adaptar e adequar para cumprir os novos papéis e desafios que se instalam. Pontos positivos e negativos desfilam entre todos que têm que se remodelar para atender às novas exigências e expectativas da sociedade.
Nessa nova formatação familiar, muitas mudanças ocorreram. A mãe, antes responsável pela organização doméstica e rainha da afetividade e aconchego teve que partir para o mercado de trabalho e esse papel ficou delegado às empregadas, avós e até para os professores. O pai, em muitos casos, transformou-se numa figura ainda mais ausente, pouco participativo na formação de seus filhos, devido às inúmeras exigências oriundas do trabalho. Outros passaram a dividir com a mãe tarefas ligadas aos filhos que antes eram só do universo feminino: dar banhos, alimentar, frequentar reuniões escolares, auxiliar nos lições de casa e estudos.
Só o que ainda não mudou é o papel fundamental do pai, estando casado ou não, na construção da identidade de seus filhos, sejam eles do sexo masculino ou feminino.
Sendo pai de menino, o homem será responsável pela sua identificação sexual e servirá como modelo em seus hábitos e atitudes. O pai para as meninas tem significado crucial , pois mesmo identificando-se com as mães,  elas buscam atingir o amor paterno que lhes possibilitará conhecimentos sobre o sexo oposto. Ele é o primeiro homem na vida da filha, pois é com ele que ela aprende a entender o universo masculino. Hoje, pesquisas indicam que meninas que estiveram fortemente ligadas aos pais na infância demonstram ser mais seguras e ter alta autoestima.
Estudos também indicam que a ausência paterna faz com que os meninos deem valor excessivo ao dinheiro e às conquistas materiais, buscando o sucesso a qualquer preço, conquistando todas as mulheres que forem capazes, descarregando suas  carências nos gestos  violentos e agressivos.
Já nas meninas, a falta do pai faz com que surja um sentimento de culpa e inadequação que gera um baixo autoconceito, podendo dificultar  o entrosamento sexual com o sexo oposto.
Por tudo isso, pode-se concluir que a ausência paterna, tanto para as meninas quanto para os meninos, apresenta perdas fundamentais para o seu desenvolvimento e aprimoramento pessoal.
Pais, seu  maior presente aos filhos é a sua presença. Fonte: RevistaDavila. EMT - Divulgação

Dicas para garantir a saúde auditiva do seu filho - Blog Leiturinha

Foto: Divulgação

Coluninha | Por Lílian Kuhn.

Férias chegando, criançada com tempo livre… que tal reservar uns minutinhos para cuidar da audição do seu filho? Poucos sabem, mas esse sentido está diretamente relacionado ao desenvolvimento da linguagemaprendizagem e socialização do ser humano. Por isso, cuidado e acompanhamento se tornam essenciais desde sempre. Uma curiosidade: a partir da 16ª semana de gestação os bebês já podem até responder aos estímulos sonoros externos ao corpo da mãe. Legal, né?!
Bom, vamos lá! A regra número 1: evite exposição da criança aos ambientes barulhentos. Os sons surgem a todo o momento, a gente sabe, mas muitas vezes eles podem ser extremamente prejudiciais. No caso dos pequenos, o perigo é ainda maior porque o sistema auditivo ainda está em processo de desenvolvimento e maturação. Cuidado com os estouros de fogos de artifício (muito comuns nesta época por conta das festas juninas), aparelhos de som e televisão com os volumes muito altos e, para os mais crescidinhos, atente-se aos fones de ouvido. Eles adoram assistir a vídeos no youtube, né? Tudo bem, só não se esqueça de conferir se está tudo ‘normal’.
Sabe aqueles brinquedinhos e livros musicais fofos e vendidos por aí? Certifique-se que eles são de boa qualidade e foi testado e aprovado pela ANVISA. Alguns podem até achar que é ‘frescura de mãe e pai’, mas garanto que a exposição a um material com nível de ruído desregulado é capaz de trazer danos e traumas acústicos irreversíveis. Outra dica importante é prestar atenção aos sinais de alteração auditiva. Ele não se assusta/acorda quando acontecem ruídos altos? Está sempre desatento ao que acontece ao redor? Solicita muito a repetição da frase? Procure ajuda!
Por fim, leve o pequeno para uma avaliação audiológica anual. O seu filho visita o dentista, oculista e pediatra regularmente, não é? Anote na agenda a consulta com um fonoaudiólogo também! Combinado?

Lílian Kuhn é fonoaudióloga com especialização em Audiologia e Mestrado e Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Há dez anos atende crianças e adultos com distúrbios de linguagem. Fonte: BlogLeiturinha. EMT - Divulgação